Páginas

segunda-feira, 22 de julho de 2013

DOIS PESOS, DUAS MEDIDAS

DOIS PESOS, DUAS MEDIDAS.

Mais uma vez gostaria de parabenizar os autênticos cidadãos ilheenses que numa atitude heroica e histórica, ocuparam o PALÁCIO DA VERGONHA, destronando por 24 horas o REI e fazendo lembrar que não existe essa conversa de que a PREFEITURA É A CASA DO POVO, nunca foi, não é, jamais será, se não mudarmos essa realidade ridícula que por conta da nossa covardia e inércia, permitimos que a política brasileira se tornasse esse mar de lama, onde ser corrupto e inescrupuloso é pré-requisito para disputar uma eleição.
 
Aos jovens Ilheenses, fica a minha admiração pela coragem, pela ousadia e acima de tudo, pelo respeito que vocês têm por nossa cidade. Aos políticos, já não posso dizer a mesma coisa, espero que com os acontecimentos, tomem vergonha na cara e procurem trabalhar em prol dos seus eleitores, que na sua grande maioria, não tem a menor ideia de quanto vale seu voto.

A tão falada DEMOCRACIA, mais uma vez mostrou que ainda não existe, só quando é para beneficiar político ladrão e sem vergonha que no exercício do seu poder invoca a DITADURA para massacrar seus eleitores, proibindo que entre água e alimentos para jovens que estão lutando pelos nossos direitos. A polícia tão desprezada por esses políticos, nesse momento é a primeira a ser lembrada, e como não poderia ser diferente, cumpre o seu papel na preservação da ordem pública.

O que mais impressiona nesse lamentável episódio, é que em muito pouco tempo saiu à reintegração de posse para retirar o povo de sua casa, que é mantida com o seu dinheiro para que sirva de palco para picaretagens, armações e desculpas esfarrapadas que já estamos cansados de ouvir a mesma ladainha. Quando falo em reintegração de posse, lembro-me dos milhares de brasileiros que tiveram suas propriedades invadidas por quadrilhas especializadas em tomar de assalto o bem privado, saqueando, destruindo, incendiando e por vezes matando pessoas e animais, desmatando as florestas sem dar nenhuma explicação e prestar contas dos crimes cometidos, e que para os proprietários reaverem os seus bens, penam meses, anos e quando conseguem uma reintegração de posse, ainda têm que arcar cos os custos da desocupação, reconstruir seu patrimônio e às vezes a sua história e a de sua família, enquanto os marginais saem impunes e vão roubar outras pessoas, tudo isso com a proteção do Estado.

O questionamento que fica é: Os poderes são verdadeiramente independentes? Será que é só contra o povo que as coisas acontecem de forma rápida e eficaz? Ou será que essa história de independência é para enganar os trouxas? Coitado de Montesquieu que muito lutou para que os poderes fossem independentes e que um pudesse fiscalizar as ações dos outros. Mas aqui na República corrupta brasileira, esses poderes estão muito bem afinados como se fosse um só.

Acredito que tudo isso deva ser por muito mais do que R$ 0,20 (vinte centavos), é pela moralidade, pela decência, pela restauração da dignidade do povo brasileiro e acima de tudo, pela aplicação da justiça, que há muito abandonou o povo assim como os políticos vem fazendo ao longo dos anos após o termino da ditadura.

Ricardo Almeida é Policial Civil do Estado da Bahia e discente do Curso de Direito na Faculdade de Ilhéus

Nenhum comentário:

Postar um comentário