Páginas

terça-feira, 6 de novembro de 2012

PROGRAMA DE COMBATE AO CRACK INEFICAZ

Programa de combate ao crack é 
baseado em dados de apenas 4 Estados


O programa nacional de combate ao crack, lançado há um ano pela presidente Dilma Rousseff e com recursos previstos em R$ 4 bilhões, é um tiro no escuro e foi feito com base em números escassos, que nem de longe retratam a realidade dos usuários no País ou o universo de cracolândias. O Estadão teve acesso aos documentos preparatórios do plano "Crack, é possível vencer". 

"A estratégia foi pensada a partir de uma pesquisa nacional realizada pela Fiocruz, que mapeou os locais de maior concentração de uso de crack nos Estados", diz o documento assinado pelo Departamento de Políticas, Programas e Projetos, do Ministério da Justiça. No entanto, o governo tem nas mãos dados de apenas quatro Estados, pois comandantes de 23 PMs não forneceram estatísticas sobre o crack - incluindo São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Paraná e Mato Grosso. Segundo o portal Terar, os dados coletados são referentes só à quantidade de pontos de venda e de usuários.

"Conclui-se que os Estados não têm dados mapeados sobre a quantidade real de usuários de crack (até porque a polícia não faz distinção entre usuário e traficante, obtendo dados de pessoas detidas), mas dados de quantidade de apreensão de droga e de prisões efetuadas pelas Polícias Civil e Militar e dados estimados de usuários das cenas de uso", diz o relatório do Ministério da Justiça.


Nenhum comentário:

Postar um comentário