Páginas

terça-feira, 13 de novembro de 2012

O CAOS NOS PRESÍDIOS BRASILEIROS

Ministro da Justiça diz que preferia morrer 
a cumprir pena em presídio brasileiro

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse nesta terça-feira (13) que preferiria morrer a cumprir pena num presídio brasileiro. "Se fosse para cumprir muitos anos na prisão, em alguns dos nossos presídios, eu preferiria morrer", afirmou em palestra a empresários, ao responder se apoiava a adoção da pena de morte e da prisão perpétua no Brasil. "Entre passar anos num presídio brasileiro e perder a vida, eu talvez preferisse perder a vida", disse, ao ser novamente indagado sobre o assunto pelos jornalistas. Em seguida, o ministro disse ser contrário a ambas penas, explicando que é necessário melhorar o atual sistema prisional, em vez de adotar essas medidas. Cardozo ressaltou ainda que as condições dos presídios brasileiros geram violações aos direitos humanos e que a pena de morte não teria eficácia como medida de combate à violência. "Do que nós precisamos? De um bom sistema, com reinserção social, e não prisão perpétua ou pena de morte", disse o ministro da Justiça, durante evento organizado pelo Grupo de Líderes Empresariais (Lide). "Temos um sistema prisional medieval, que não só desrespeita os direitos humanos como também não possibilita a reinserção." Cardozo disse que falava como cidadão e não governante. O ministro evitou comentar as penas definidas na segunda-feira (12) pelo STF aos companheiros de partido (PT), o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, o ex-deputado José Genoino e o ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares. "Como cidadão, tenho as minhas impressões. Mas, como ministro, não comentarei não só o mensalão como qualquer ação que o Judiciário julgue", afirmou. Dirceu foi condenado a dez anos e dez meses de prisão, Genoino, a 6 anos e 11 meses de prisão, e Delúbio, a 8 anos e 11 meses. 

Revista Época

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário