Páginas

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

O AFEGANISTÃO É ATÉ PACÍFICO

A filha do leitor Humberto Pellizzaro (Brasília) mora em uma base militar norte-americana na Alemanha, enquanto seu marido presta serviço ao Exército. 

A família já se prepara para regressar ao Brasil, mas a moça está preocupada com a violência no país, até porque o pai conta, em carta a propósito do texto "A mexicanização de São Paulo" (folha.com/no1175540), que Brasília também é vítima do que Humberto chama de "escalada de violência". 

Onde serve o genro do leitor para que a mulher se preocupe com a violência a enfrentar na volta? Na Suíça, na Alemanha, na Finlândia? Não. Serve no Afeganistão, sim, nesse Afeganistão que há décadas aparece nos jornais pela violência extrema que padece. Escreve o pai: "A preocupação, por incrível que pareça, é maior em ter que morar aqui do que com a presença dele no 'front' do Afeganistão". 

 A comparação pode ser chocante, mas não é despropositada. No Afeganistão, em 2010, o pior ano até aqui desde a invasão norte-americana em 2001, 2.777 civis foram mortos mais 711 soldados afegãos e das forças internacionais. 

Em São Paulo -e só em São Paulo, não no país inteiro-, extrapolando para o ano as mortes de setembro (135) teríamos 1.620 mortes. Mesmo que se prefira a média do ano (91/mês), seriam 1.092 mortos. 

Os conformistas podem até se consolar com o fato de que morre mais gente no Afeganistão do que em São Paulo. Mas considere, por favor, que, lá, "estamos falando de uma guerra, com bombardeios, combates com blindados, aviação, mísseis e armas pesadas, campos minados etc", como lembra o leitor. 

Acrescento eu: estamos falando também de um país que saiu de uma guerra (contra as tropas soviéticas), de um governo de fanáticos violentos, de uma ocupação estrangeira, de divisões étnico-religiosas ancestrais, de "senhores da guerra" controlando regiões inteiras e, ainda por cima, vizinho de um país igualmente violento, como o é o Paquistão -enfim, uma coleção de fatores que induz à violência, numa ponta, e dificulta reprimi-la, na outra. 

No Brasil (e, atenção, os números da violência no Brasil são ainda piores dos que o de SP), inexistem os fatores agravantes apontados, exceto uma clivagem social obscena. Mas, se dizem que ela está diminuindo, como explicar que não diminua também a violência, se valesse a teoria de que a criminalidade é decorrência de fatores sociais? Se foi alguma vez, não é mais. Hoje, o preponderante é o "business" do narcotráfico que contamina quase todas as demais atividades criminosas. 

Se se considerar que há, no Brasil, o dobro de homicídios (21 por 100 mil habitantes) do que em São Paulo (pouco menos de 11/100 mil), a comparação com o Afeganistão torna-se ainda mais pertinente. Torna-se, assim, pura estupidez recusar a colaboração do governo federal, que, aliás, deveria tomar como prioridade a cooperação de toda a América Latina no combate ao crime organizado, sem o que o Afeganistão ainda vai-se tornar um oásis turístico para brasileiros. 

Fonte: Folha de S. Paulo


Nenhum comentário:

Postar um comentário