Páginas

quinta-feira, 3 de maio de 2012

ELEIÇÕES 2012

JAILSON: “O PMN NÃO TEM INTERESSE NESSE GOVERNO”

“Está decidido. Eu sou o pré-candidato do PMN”, disse Jailson Nascimento na manhã desta quarta-feira (02) durante entrevista ao comunicador Vila Nova, esclarecendo que Maysa Fontana não é mais pré-candidatura e possivelmente disputará uma cadeira na Câmara. O vereador disse que em junho, durante convenção do Partido a candidatura será lançada e que conversas com outras legendas farão parte de sua agenda. “Não tenho dificuldade em conversar com ninguém. Sozinho não tem como marchar”, afirmou ele deixando nas entrelinhas que até junho muita coisa pode mudar.

Sobre a saída do partido da Plenária Unificada, ele avalia como positiva e contou que sente nas ruas uma melhor aceitação. Quando questionado sobre a entrada do PMN na administração municipal, Jailson disse que foram convidados, mas não queremos fazer parte do governo. “A proposta não nos interessa. Não temos interesse nesse governo”. Para ouvir na íntegra a entrevista com o pré-candidato Jailson, clique aqui .

PRÉ-CANDIDATA VEREADORA CARMELITA

“NÃO ABRO MÃO DA MINHA TRAJETÓRIA DE LUTA EM PROL DOS TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO”

Após ter criticado a administração do Partido dos Trabalhadores (PT) na Bahia, utilizando a tribuna da Câmara Municipal, no último 24 de abril, a vereadora de Ilhéus e professora, Carmelita Ângela (PT) comentou, nesta terça-feira (1º), suas declarações sobre o governador Jaques Wagner, que segundo ela, teria “mudado o discurso” sobre a situação dos profissionais da educação, greve há 19 dias, e com isso, poderia “jogar a carreira política no lixo”.


Carmelita afirmou que continua a apoiar a gestão do governador, mas ressaltou fidelidade à sua defesa em prol dos trabalhadores da educação no estado. “Sou do Partido dos Trabalhadores e apoio incondicionalmente o governo Wagner. Mas o que não abro mão é da minha trajetória de luta em prol dos trabalhadores da Educação na Bahia. Também entendo como é normal um governo democrático, como é o de Wagner, receber com equilíbrio uma crítica mais contumaz. Já não estamos mais no tempo da Bahia em que se governava com o chicote na mão onde os aliados só exercitavam a capacidade de elogiar”, disse.

Embora tenha mantido as críticas ao governador, Carmelita tentou amenizar a situação e demonstrou preocupação na tentativa dos adversários em fragilizar a relação de companheirismo com Jaques Wagner. “O cargo e o próprio Wagner são maiores do que esta tentativa dos adversários em fragilizar esta relação de companheirismo que sempre norteou a nossa história”, reiterou a vereadora.

Site O Tabuleiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário