Páginas

terça-feira, 10 de abril de 2012

NOMEAÇÃO DO NOVO SECRETÁRIO DE SAÚDE

A semiótica, como ciência que se preocupa com os signos, tem muito a oferecer quando se trata de procurar compreender a política.

Em Ilhéus, as coisas não são diferentes. Na semiótica de Charles Sanders Peirce, o signo é formado basicamente por uma tríade: ícone, símbolo e índice.

Ícone é, por assim dizer, é a representação material da coisa. Por exemplo, uma fotografia, um desenho, um boneco de alguém, uma maquete.

Símbolo é algo que, embora não se pareça com a coisa, convencionalmente e arbitrariamente é associado à coisa. Por exemplo, a bandeira de um país, a grafia escrita de uma palavra.

Índice, por sua vez, é semelhante a um indício da coisa e está para a coisa assim como a fumaça para o fogo, o estampido para um tiro e a febre para uma infecção.

Em Ilhéus, as ações dos atores políticos podem ser tomadas como signos, havendo, portanto, a tríade acima mencionada: ícone, índice e símbolo.

Um dos atos interessantes de serem analisados sob essa ótica é a recente nomeação de Ronaldo Lavigne para o cargo de Secretário de Saúde Municipal.

É importante ressaltar que os destinatários desse ato – desse signo – visualizam índices, ícones e símbolos diferentes entre si.

Para os partidos que não estão no governo municipal e que estão dialogando para futuras alianças quais são os elementos dessa tríade?

Enquanto ícone, a significação dessa nomeação é óbvia para todos: a pasta da Saúde agora é comandada, pelo menos formalmente, pelo empresário da medicina Roland Lavigne. O seu irmão Ronaldo Lavigne é a sua representação, a sua fotografia, digamos assim.

Enquanto símbolo, a nomeação de Ronaldo Lavigne, ícone de Roland Lavigne, adquire um significado que se convencionou na cidade: Roland Lavigne é opositor visceral de Jabes Ribeiro. Também é convenção comum que Roland se encontra entre os opositores do ex-prefeito ligados aos grupos mais conservadores da classe média e alta ilheense. O PT pretende sinalizar, com isso, que não marchará com Jabes, na intenção de desfazer os boatos de que Josias estaria articulando para que o PT indicasse o vice de Jabes Ribeiro. Sinaliza o PT, também, para aquela classe média e alta acima mencionada, tentando capitalizar os votos daqueles eleitores que rejeitam Jabes Ribeiro, indicando que pretende polarizar a eleição. O PT crê que não teria dificuldades em atrair os partidos mais à esquerda, mas esses, por si só, não seriam suficientes para ganhar as eleições, pois tradicionalmente em Ilhéus a esquerda, sozinha, não consegue vencer eleições majoritárias.

E enquanto índice, o que significa essa nomeação? Como índice, considerando a existência de conflito de interesses existente entre o empresário da medicina e a Secretaria de Saúde, que para fazer as coisas funcionarem muitas vezes precisa contrariar os interesses particulares de proprietários de estabelecimentos que prestam serviços médicos pelo SUS – tal como é o caso da implantação de uma UPA em Ilhéus, a ser instalada na zona sul -, a nomeação é um forte indício que a saúde de Ilhéus não vai melhorar, definitivamente.

Mas essa é apenas uma análise sob a semiótica peirceana. Há muitas outras semióticas, como a de Saussurre, a de Umberto Eco…

Mas é melhor parar por aqui, porque quando pensamos que tudo não podia ficar pior…

Israel Nunes é Procurado Federal, professor de direito e pré-candidato a prefeito de Ilhéus pelo PC do B

Nenhum comentário:

Postar um comentário